terça-feira, 9 de setembro de 2014

O que ler na Viagem?

Oi amigos, boa noite a quanto tempo eu não escrevia sobre livros não é verdade. Como falei que setembro é um mês especial para nós turismologo estou trazendo hoje um livro que além de ter uma história incrível, um roteiro que te prende e faz você acreditar fielmente no que está lendo e ainda por cima monstra outra visão de uma cidade e eu ainda descobri que esse livro vai virar filme. Estou falando do livro “O Simbulo Perdido” do magnifico Dan Brown (eu amo a forma que o Dan como sempre sou intimo escreve, ele consegue te prender na leitura e fazer você acreditar na ideia dele, vocês lembram quando saiu Código da Vinci e foi o maior Boom, então esse livro veio com esse livro aconteceu a mesma coisa).


Depois de ter sobrevivido a uma explosão no Vaticano e a uma caçada humana em Paris, Robert Langdon está de volta com seus profundos conhecimentos de simbologia e sua brilhante habilidade para solucionar problemas. Em O símbolo perdido, o célebre professor de Harvard é convidado às pressas por seu amigo e mentor Peter Solomon - eminente maçom e filantropo - a dar uma palestra no Capitólio dos Estados Unidos. Ao chegar lá, descobre que caiu numa armadilha. Não há palestra nenhuma, Solomon está desaparecido e, ao que tudo indica, correndo grande perigo. Mal'akh, o sequestrador, acredita que os fundadores de Washington, a maioria deles mestres maçons, esconderam na cidade um tesouro capaz de dar poderes sobre-humanos a quem o encontrasse. E está convencido de que Langdon é a única pessoa que pode localizá-lo. Vendo que essa é sua única chance de salvar Solomon, o simbologista se lança numa corrida alucinada pelos principais pontos da capital americana: o Capitólio, a Biblioteca do Congresso, a Catedral Nacional e o Centro de Apoio dos Museus Smithsonian. Neste labirinto de verdades ocultas, códigos maçônicos e símbolos escondidos, Langdon conta com a ajuda de Katherine, irmã de Peter e renomada cientista que investiga o poder que a mente humana tem de influenciar o mundo físico. O tempo está contra eles. E muitas outras pessoas parecem envolvidas nesta trama que ameaça a segurança nacional, entre elas Inoue Sato, autoridade máxima do Escritório de Segurança da CIA, e Warren Bellamy, responsável pela administração do Capitólio. Como Langdon já aprendeu em suas outras aventuras, quando se trata de segredos e poder, nunca se pode dizer ao certo de que lado cada um está. Nas mãos de Dan Brown, Washington se revela tão fascinante quanto o Vaticano ou Paris. Em O Símbolo Perdido, ele desperta o interesse dos leitores por temas tão variados como ciência noética, teoria das supercordas e grandes obras de arte, os desafiando a abrir a mente para novos conhecimentos.

O que ler na viagem, Dan Brown, O simbulo perdido, blog de turismo


Acho que para mim que sou fã achei esse livro surpreendente principalmente em algumas horas de morte no livro, eu ficava agoniado com o desenrolar da historia pensando em como o Robert se mete em confusão e também me apaixonava ainda mais por simbologia e de como tudo nessa vida está interligado. Ponto positivo também para o vilão do livro chamado Mal'aka que é um personagem único e nunca vi nenhum vilão de livro igual a ele (eu cheguei até a torcer por ele, tenho essa coisa de sempre gostar mais dos vilões do que dos mocinhos, em falar que com esse livro foi páreo duro e eu torcia do Robert e para o Mal’aka). O livro me conquistou, me prendeu e eu ficava até imaginando como seria ele em um filme todas os truques e trocadilhos que ele apresenta. Tem uma cena no livro com o Robert que é a minha favorita. Eu lembro que quando estava lendo esse capitulo estava no ônibus voltando da faculdade e soltei um grito quando acabei de ler, até porque o que aconteceu não poderia acontecer com ele (minha mão esta coçando para contar para vocês o que é, mas não vou contar). Algumas pessoas estavam falando que um ponto negativo do livro e o final que ele enrola muito e que não tem muito sentindo. Mas gente para um livro que foi completamente movimentado que você sentia que fazia parte da história junto com o personagem tem que ter um final tranquilo, não acha? Então amigos agora que vocês já acabaram de ler a minha resenha que tal ir encontrar “O símbolo Perdido”. Outra coisa amigos, amanhã terá um post especial sobre turismo que tem tempo q eu não falo nada sobre a nossa querida área e na quinta tem aventuras novas do turismólogo em um ponto turístico aqui do Rj. Espero que vocês tenham gostado da minha resenha. Bjos e até a próxima aventura. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Meus Aventureiros